Como a pornografia pode afetar o cérebro
15/11/2016

Como a pornografia pode afetar o cérebro

Como a pornografia pode afetar o cérebro

Será que a pornografia vicia? Será que o nosso cérebro é pornô? O que explica essa tremenda quantidade de material de sexo explícito que aparece na internet todos os dias?

Nos tempos de nossos pais e avós, o acesso à pornografia de dava por meio de revistas emprestadas por um irmão mais velho ou um amigo, mas isso mudou radicalmente ao longo do tempo. Hoje, seis em cada dez adultos veem cenas de sexo explícito pelo celular e 30% as acessam pelo computador.

A ciência começa a investigar o porque das pessoas procurarem excessivamente por conteúdos pornográficos. Veja como funciona o mecanismo do vício:

Segundo estudos do americano Gary Wilson, a pornografia alteraria os mecanismos da dopamina, neurotransmissor associado ao prazer e à recompensa.

Como a pornografia pode afetar o cérebro

1 – O excesso de imagens pornográficas causa descargas repetidas de dopamina no cérebro, em especial nas áreas do córtex pré-frontal, a camada externa do cérebro encarregada do comportamento e da tomada de decisões, e do corpo estriado ventral, região envolvida no processamento de motivação e prazer.

2 – Como mecanismo de proteção, o cérebro então, diminui a sensibilidade à dopamina, reduzindo os receptores do neurotransmissor.

3 – A baixa resposta à dopamina faz com que as pessoas busquem atividades cada vez mais intensas – mais pornografia, portanto – para estimular sua produção. Cria-se um círculo vicioso.

Fonte: Sexo na cabeça: Como a pornografia destrói o cérebro humano, Gary Wilson, neurocientista.