• geração smartphone
    31/08/2017

    Geração Smartphone não bebe, não fuma e não fode

    geração smartphone

    Jovens da Geração Smartphone são menos rebeldes, bebem menos álcool e fazem menos sexo.

    Resumindo: Essa turma coxinha de hoje em dia, não bebe, não fuma e não fode, como as gerações anteriores HUEHUE.

    Jovens que cresceram na era dos smartphones estão menos preparados para a vida adulta, segundo uma pesquisa americana. A chamada “geração smartphone”, daqueles que nasceram após 1995, vem amadurecendo mais lentamente que as anteriores.

    Eles são menos propensos a dirigir, trabalhar, fazer sexo, sair e beber álcool, de acordo com Jean Twenge, professora de psicologia da Universidade Estadual de San Diego, nos Estados Unidos.

    Twenge explicou que esses jovens cresceram em um ambiente mais seguro e se expõem menos a situações de risco. Mas, por outro lado, chegam à universidade e ao mundo do trabalho com menos experiências, mais dependentes e com dificuldade de tomar decisões. “Os de 18 anos agem como se tivessem 15 em gerações anteriores”, comenta Twenge. Ela diz que isto tem relação com a super conectividade típica desta geração, que passa em média seis horas por dia conectado à internet, enviando mensagens e jogando jogos online.

    Por conta disto, acabam passando menos tempo com amigos, o que pode afetar o desenvolvimento de suas habilidades sociais. O estudo mostrou ainda que quanto mais tempo o jovem passa na frente do computador, maiores os níveis de infelicidade. “O que me impressionou na pesquisa foi que os adolescentes estavam bastante cientes dos efeitos negativos dos celulares”, comentou a pesquisadora. “E um estudo com 200 universitários que fizemos mostrou que quase todos prefeririam ver seus amigos pessoalmente”, continua. Essa consciência, no entanto, não se traduz em prática. A Geração Smartphone, segundo a pesquisa com base no universo americano, sofre com altos níveis de ansiedade, depressão e solidão. A taxa de suicídio, por exemplo, triplicou na última década entre meninas de 12 a 14 anos.

    Mas, ao mesmo tempo, trata-se de uma geração mais realista com o mercado de trabalho e mais disposta a trabalhar duro, o que Twenge vê como “boa notícia para empresas”. Embora as principais conclusões pareçam acenar para um sinal de alerta, a pesquisadora comenta que a geração smartphone é tolerante com pessoas diferentes e ativa na defesa de direitos LGBT e da população. “E mais ainda que as gerações anteriores, eles acreditam que as pessoas devem ser o que são”, completa.

    Fonte: BBC Brasil

  • parkour na faixa de gaza
    11/03/2015

    Parkour na Faixa de Gaza

    parkour na faixa de gaza

    Um grupo de jovens resolveu praticar Parkour na Faixa de Gaza. Em um território extremamente perigoso eles se arriscam na cidade em ruínas.

    O cenário de guerra inspira os jovens a superar os obstáculos encontrados pelo caminho, mostrando a dura realidade das pessoas que vivem nesse lugar. Em um vídeo incrível publicado no Youtube, o grupo mostra habilidade e agilidade em vários pontos da cidade destruída. Na parte final da gravação eles aparecem praticando Parkour e ao fundo bombas sendo lançadas em direção ao local. Parece até cena de filme, porém essas imagens são reais. Assista ao vídeo:

    https://www.youtube.com/watch?v=5TO4W2vSsN8

  • 28/10/2013

    Isis Valverde é xingada na rua pelas pessoas

    Isis Valverde

    A atriz Isis Valverde (26), que foi apontada como pivô da separação de Cauã Reymond e Grazi Massafera, foi duramente xingada por um grupo de jovens ao sair de shopping da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

    Um grupo de jovens falou coisas pesadas para a atriz global, que fingiu não ter ouvido e continuou conversando com os amigos que estavam seu ao lado.

    Isis continua sendo detonada pelos internautas, que a chamam de destruidora de lares. Recentemente, ela enviou uma nota para a imprensa dizendo que estava muito triste por ter sido envolvida na separação dos colegas de trabalho e de emissora.